quinta-feira, 26 de maio de 2016

"AO SOM DOS TAMBORES", DE SUSANA SILVA

Nos últimos dias, tenho andado dedicada à leitura do livro "Ao som dos tambores", de Susana Silva, editado pela Chiado Editora.
Este livro, o primeiro da autora, conta-nos uma história de aventuras e mistérios, bem como a forma como um grupo de amigos e suas famílias se vêm neles envolvidas.

Tudo começa numa manhã aparentemente normal.
Gil acorda e prepara-se para ir para a escola quando descobre que está completamente sozinho. E basta sair para a rua para perceber que não foi só a sua família que desapareceu, mas todos os habitantes da sua terra, a qual parece subitamente deserta e abandonada.

E, a partir daí, a sua vida assume contornos diferentes e inesperados, numa luta pela sobrevivência e pela descoberta do que está acontecendo no mundo e do porquê de apenas algumas pessoas conseguirem manter-se "vivas".

Nesta aventura, muitas surpresas vão acontecer e Gil, juntamente com os seus amigos, vai ter um papel fundamental na resolução dos misteriosos acontecimentos.




Foi com muito entusiasmo que iniciei a leitura deste livro, o qual me foi enviado pela editora.
Desde a leitura da sinopse que estava curiosa acerca da sua história.
Confesso que o género literário não é dos meus favoritos, pelo que estava bastante na expetativa.

No geral, gostei muito da história. Achei-a muito dinâmica e criativa, estando sempre presente o fator surpresa, É uma narrativa que une o real ao imaginário de uma forma coesa e discreta, prendendo a atenção do leitor.
No entanto, acho que teve poucos momentos altos a destacarem-se, não sendo muito explorados os maiores momentos de tensão do enredo. Senti a falta de algumas partes de "cortar a respiração", as quais, na minha humilde opinião, teriam valorizado a história.

Gostei do aspeto gráfico do livro, o qual facilita e motiva a leitura.

Também gostei da escrita de Susana Silva, que me pareceu simples, bastante fluída e de fácil leitura e compreensão.

Quer a história, quer a forma como está escrita/contada, me levam a considerar este livro bem enquadrado na literatura infantojuvenil, aconselhando-o para leitura autónoma a partir dos 11/12 anos.

Sem comentários :

Enviar um comentário