sexta-feira, 13 de maio de 2016

"DE NEGRO VESTIDA", DE JOÃO PAULO VIDEIRA

Há mais ou menos 12 horas que ocupo parte do meu tempo a pensar numa forma de começar este post sobre a primeira obra escrita por João Paulo Videira.
Na verdade, ainda não tinha terminado a sua leitura, já ganhara vontade de escrever sobre ela, mas a sensação de que qualquer frase inicial não lhe iria fazer jus levou-me a esperar pela (suposta) ideia luminosa.
Não apareceu!
Por isso, resumo: "De negro vestida" é uma obra memorável!!!

Desta vez, não me apetece começar por resumir o livro, criando uma nova sinopse que vos prenda e vos convide à leitura.
Começo, em vez disso, por dar a minha humilde opinião sobre uma história que me prendeu do início ao fim e que, solidificando o que já sentira com a leitura de "A Paixão de Madalena", me transformou na fã número 1 deste autor português.


Falar sobre as obras de João Paulo Videira é um motivo de orgulho e, ao mesmo tempo, uma responsabilidade, Confiou em mim para o fazer e muito de honra esta sua confiança.
As histórias que este homem/professor/escritor nos conta são ricas e penetrantes por si só, mas intensificadas por uma forma de escrever envolvente e, simultaneamente, simples e suntuosa.

"De negro vestida" é novamente um hino ao valor da mulher, à sua dignidade e importância, à sua tenacidade e coragem, às características que são nela instintivas e às suas (nossas) capacidades.
É um livro que põe no centro uma mulher simples e faz todo o mundo girar à sua volta.
É um consistente encadeamento de histórias de vida, de reflexões, de momentos de humor e de ternura,.. É um romance, um livro sobre o amor e as paixões. É um mundo de pequenas vidas que se contam porque cruzam a de Maria de Lurdes, a sua personagem principal.
E é esta a mulher que o autor premeia nesta obra, rodeando-a de muitas outras personagens ricas em sentimentos e vivências. É esta a mulher de quem o narrador fala, com quem chega a cruzar-se e que vigia de perto, deixando em dúvida a sua participação/influência na história que conta.
Os cenários quase se veem ao longo das páginas. Não são lugares incomuns, nem identificam necessariamente esta ou aquela localidade, mas visualizam-se as cenas sem necessidade de descrições pormenorizadas, quase como se fizessem realmente parte das personagens.



O livro "De negro vestida", obra de estreia de João Paulo Videira, editada em dezembro de 2013 e já com uma 2.ª edição nas bancas, conta a história de uma mulher que decide amar-se mais do que a uma homem que a trai.
Maria de Lurdes, divorcia-se e agarra com coragem a busca por uma vida melhor na companhia dos seus dois filhos, então adolescentes.
Apesar de ter sido sempre esposa e mãe a tempo inteiro, a personagem principal tem capacidades e conhecimentos que vai explorar e rentabilizar em função de um caminho de tranquilidade que quer (e precisa) percorrer.
Lutadora, corajosa e perseverante, ao longo da história a nossa protagonista vais fechando as portas da tristeza e da dor e procurando as janelas certas para abrir à felicidade.

Este é um livro que guardarei com o máximo carinho e que não me cansarei de aconselhar, não só às pessoas de quem gosto, como prova do meu afeto, mas também a todas aquelas que precisam de um estímulo para se olharem por dentro e descobrirem se o que vivem é o que realmente querem viver.

2 comentários :

  1. Tão perfeita descrição!! de um livro que devorei antes mesmo de o ser, acompanhei inicialmente no blog do autor, de quem tive o previlegio e a oportunidade de ser aluna . vale mesmo mt a pena ler tudo o que este SR. escreve

    ResponderEliminar